A agenda de 2020: alteraçōes normativas, novos riscos e desafios que se enfrenta o setor

Se nāo houver atraso, prevê-se que em Janeiro de 2021 entre em vigor a normativa IFRS17, pelo que, o próximo ano traz consigo novos processos de adaptaçāo aos requisitos das novas normativas.

Em palavras de Xavier Plana, CEO da AV Group: «a entrada em vigor da IFRS17 terá um impacto similar ao que teve a Solvência II pelo que, as seguradoras devem preparar-se a fundo. O desafio é elevado, tanto a nível conceptual como tecnológico, e apesar dos diferentes graus de preparaçāo existentes para a mudança no setor, há entidades que correm o risco de ficar atrás na análise de gaps e enfoque metodológico para concretizar a adaptaçāo à nova normativa».

Desta forma, em 2020 produzir-se-á a próxima revisāo da Solvência II, que desde a sua entrada em vigor, em Janeiro de 2016, fez com que as empresas espanholas adaptassem os processos a esta norma, com maior ou menor grau de automatizaçāo, em funçāo do tamanho e das necessidades.

A isto acrescenta-se a entrada em vigor da Lei de Distribuiçāo de Seguros e Reaseguros Privados, em que as seguradoras espanholas devem continuar a trabalhar na adaptaçāo à normativa, com base em esboços e diretrizes europeias.


Os desafios do setor
Paralelamente às alteraçōes normativas, as seguradoras também devem enfrentar-se a grandes desafios, desde a mudança de hábitos dos clientes, como à utilizaçāo generalizada de canais online, tanto na compra como na declaraçāo de sinistros; passando pela entrada no mercado de novas Insurtech ou a consolidaçāo das já existentes.


Trabalhe com novos riscos
A tudo isto juntam-se riscos emergentes, ataques cibernéticos, proteçāo de dados, danos meio ambientais, riscos reputacionais, bem como efeitos demográficos, como o envelhecimento da populaçāo e o impacto na longevidade.

Uma correta avaliação e previsão por parte das empresas destes e de outros riscos deve implicar um maior investimento em métricas e técnicas preditivas avançadas, bem como uma adequada otimização e desenvolvimento dos modelos atuais.

«Em conclusāo, este contexto provocará que no próximo ano seja crucial para o setor pelo que, a digitalizaçāo de processos é uma grande oportunidade para as seguradoras se adaptarem a todo este tipo de mudanças, já que requerem um tratamento da informaçāo fiável e de qualidade, o qual repercutirá nos seus resultados», finaliza Xavier Plana.