Trabalho à distância cada vez mais perto

Um estudo recente do Banco de Espanha reflete um aumento de 80% da modalidade de trabalho a distância por parte dos inquiridos, como consequência do covid-19. Anteriormente, em 2019, apenas 4,8% da população ativa espanhola afirmava trabalhar regularmente desde casa e 3,5% ocasionalmente, de acordo com o Eurostat.

Perante este cenário, algumas empresas, quase todas multinacionais tecnológicas, comunicaram aos seus colaboradores que podem trabalhar em remoto de forma permanente, até que seja seguro voltar ao escritório. Em muitas dessas empresas, estão a implementadar novas políticas para melhorar as condições de trabalho fora do escritório, seja por meio de ferramentas tecnológicas, mobiliário de trabalho ergonómico e apoio à saúde física e mental.

Mas como funciona o trabalho remoto hoje? Diversos estudos confirmam que a grande maioria trabalha a partir de casa, outros na segunda residência no mesmo país e, em alguns casos, num país diferente daquele onde se encontra a empresa onde exercem a sua atividade.

As modalidades de trabalho remoto, como espaços de coworking y coliving, êm tido um crescimento positivo nos últimos anos, com escritórios agradáveis baseados no trabalho colaborativo, em cidades ou no meio rural, que dispõem de infraestruturas profissionais e uma vasta gama de serviços associados (ofertas bem-estar ginásios, massagens, workshops de ioga homeschooling, espaços para reuniões e comunidades especializadas). Neste sentido, alguns países oferecem incentivos e condições atrativas para a realização de teletrabalho de longo prazo, para atrair investimentos.

Por outro lado, o novo ambiente exige novas soluções e um quadro jurídico adaptado às exigências do mercado de trabalho, com mais flexibilidade, responsabilidade e autonomia. Embora muitas empresas tenham políticas de trabalho à distância em vigor, muitas delas não têm regulamentação específica. Com o objetivo de minimizar estas diferenças, a nova regulamentação em Espanha, o Real Decreto Lei 28/2020, com entrada em vigor a 13 de Outubro de 2020. Para a sua correta aplicação, são mencionados alguns requisitos, tais como: o caráter voluntário, se o tempo de trabalho em remoto é de, pelo menos, 30% da jornada de trabalho e se as empresas facilitarem aos colaboradores os meios e equipamentos necessários.

O trabalho em remoto leva-nos a um crescimento exponencial da economia digital, com está refletido no plano Espanha Digital 2025, porque o modelo tradicional precisa ser transformado, não só devido ao coronavírus, mas porque assim o exige a evolução contínua e inexorável do mundo empresarial. Além disso, o aumento do teletrabalho implicará mudanças sem precedentes na força de trabalho e na economia, pois permitirá maior flexibilidade, se forem criadas as condições tecnológicas e sociais.

Por todos estes motivos, o futuro do teletrabalho estará no conceito "trabalhe de qualquer lugar " que substitui as políticas de “trabalho a partir de casa ", Além disso, o ssoluções híbridas (não só em casa, não só no escritório), porque segundo assinalam os estudos, nos próximos anos será possível trabalhar em casa alguns dias da semana, e utilizar cubos, com configurações diferentes aos escritórios atuais. Em conclusão, as organizações vão encontrar novas formas de organizar o trabalho e motivar remotamente os colaboradores, minimizando o impacto da distância e partilhando valores baseados na confiança.